O presente curso pretende preparar o aluno para identificar as possíveis relações existentes entre a ocorrência de quedas no idoso e suas características sociodemográficas, funcionais e clínicas.  Isto posto, o curso favorecerá o conhecimento de dados específicos dos possíveis fatores que contribuem para os eventos de quedas na população idosa e apontar as possíveis intervenções fisioterapêuticas que reduzem tais riscos, favorecem a autonomia e promovem a qualidade e expectativa de vida.

Grace et al. (2009, p.431) relatam que a morte por causas externas representa 14,9% do total de óbitos de idosos no Brasil, ocupando a terceira posição, e que os eventos de quedas exprimem o primeiro lugar na taxa de morbidade e o quarto na taxa de mortalidade. As alterações na mobilidade do idoso estão relacionados aos fatores ambientais, as alterações fisiológicas do processo de envelhecimento, ou mesmo nas consequências do estilo de vida adotado pelo indivíduo ao longo da vida.

A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (2008, p.03) relata sobre a importância clínico-epidemiológica de quedas em idosos, e para ela estes eventos apresentam conceitos abrangentes e decorrem tanto de problemas primários do sistema osteoarticular e/ou neurológico bem como de condições clínicas que afetem secundariamente os mecanismos do equilíbrio e estabilidade. Portanto, os autores definem quedas como um “deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior à posição inicial com incapacidade de correção em tempo hábil, determinado por circunstâncias multifatoriais comprometendo a estabilidade”.

Dentre as diretrizes da Política Nacional de Saúde do Idoso (2006) incluem-se: Promoção do envelhecimento ativo e saudável, manutenção e recuperação da capacidade funcional, atenção integral a saúde da pessoa idosa, dentre outras. Devido à grande importância de quedas em idosos, torna-se necessário buscar estratégias preventivas que mantenham ou melhorem a autonomia funcional e consequentemente sua qualidade de vida relacionada a saúde.


Público alvo para o curso: alunos e profissionais de Fisioterapia.


Referências:

GRACE et al., Comparação entre idosos que sofreram quedas segundo desempenho físico e número de ocorrências. Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 13, n. 5, p. 430-7, set./out. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfis/2009nahead/aop056_09.pdf.

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Quedas em idosos: prevenção. Rio de Janeiro: Associação Medica Brasileira e Conselho Federal de Medicina; 2008. Disponível em: http://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2014/10/queda-idosos.pdf.


BRASIL, Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. PORTARIA Nº 2.528, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html.